terça-feira, 12 de agosto de 2008

Tudo passa

"Hoje quando saí do inglês fui ao centro da cidade. Fui sem compromisso, sem ter, realmente, o que fazer. Fui. Só Fui. E só.
Tava um dia bonito, início de tarde de céu azul, poucas brancas nuvens, apesar de ser uma hora, a temperatura estava bem agradável.
Enquanto andava pra pegar o ônibus fui observando as coisas ao meu redor. O que ví foi uma bela aquarela. O laranja do prédio combinou perfeitamente com o azul forte do outro prédio e o verde das árvores completou a palheta.
Já no ônibus, o cabelo vermelho da menina contrastou com os outros pretos. Armoniozamente contrastante (pena que eu tava sem a máquina).
E eu me senti bem. Me senti em paz. Eu tinha muito o que fazer. Compromissos, tarefas, afazeres. Também tenho meus problemas e minhas angústias, mas nada disso tirou minha paz hoje.Nada. Apesar do cansaço, foi delicioso saborear um pouco dessa leveza, dessa paz. E eu digo: ela é doce.
(O texto foi escrito no sábado. Hoje, terça, o sentimento nem é mais esse. Mas palavras depois que sai de você não é mais sua. Então resolvi botar aqui...)

Um comentário:

Astier Basílio disse...

cores de Almodóvar, cores de Frida Kahlo, flores de Gilmara